Argentinos protestam no Catar por ingresso para a final; “Vamos enfrentar a Fifa”

Na véspera da final da Copa do Mundo, há argentinos aflitos, tensos, ansiosos, esperançosos com a partida mais importante da seleção alviceleste, e alguns revoltados. A indignação surge pela impossibilidade de conseguir ingressos para ver o último jogo de Lionel Messi em Mundiais e que pode dar à Argentina seu terceiro título mundial.

Um boato de que a Fifa colocaria à venda na sexta-feira um novo lote com 10 mil ingressos para a decisão deixou os argentinos esperançosos. No entanto, os bilhetes não estão disponíveis e a entidade diz não saber de onde partiu a informação a respeito das entradas.

Sem um lugar para a finalíssima, centenas de torcedores marcaram um protesto para o principal centro de ingressos da Copa do Catar. Depois, a manifestação mudou de lugar e foi para a frente do hotel onde estão hospedados dirigentes da Associação de Futebol Argentino (AFA).

Alguns reivindicaram que a AFA distribuísse ingressos gratuitamente, enquanto outros exigiram que os dirigentes ajudassem a viabilizar entradas a preços oficiais, estipulados pela Fifa.

“Vamos enfrentar a Fifa”, bradavam os argentinos, que transformaram um movimento natural num protesto organizado, com cartazes e músicas. Estima-se que mais de 3 mil argentinos estão em Doha sem ingressos e acredita-se que outros 5 mil ainda chegarão também sem seus assentos garantidos para a decisão no Lusail, que comporta 88.966 torcedores.

As autoridades locais reforçaram o contingente de policiais. Não houve incidentes em ambos os protestos, dispersos rapidamente. Mas um canadense que tentava revender ingressos foi detido.

Os ingressos para a finalíssima da Copa do Mundo estão esgotados. A única forma de consegui-los é no mercado paralelo, em que são vendidos a preços bastantes inflacionados, a partir de US$ 4 mil (R$ 21 mil).

Segundo relatos de torcedores há cambistas oferecendo entradas por até US$ 15 mil (R$ 79 mil). Alguns argentinos denunciam que a AFA distribui ingressos para os barra bravas, torcedores organizados da seleção, que então repassam a torcedor comuns por valores exorbitantes.

Na venda oficial da Fifa, as entradas, quando ainda estavam disponíveis, eram vendidas a partir de US$ 600 (R$ 3.200). O bilhete mais caro custava US$ 1.600 (R$ 8.540). Era possível comprar ingressos com visão obstruída, com valores mais baixos, entre US$ 240 e US$ 480 (R$ 1.280 e R$ 2.570).

Existe uma mobilização por ingressos também nas redes sociais e em grupos WhatsApp, usados para anunciar os bilhetes e para os potenciais compradores darem sua oferta máxima.

O embaixador da Argentina no Catar, Guillermo Nicolás, afirmou ao jornal La Nacion que não houve nenhum tipo de reunião com a AFA para resolver resolver o problema da falta de ingressos para a final entre Argentina e França, e acalmar o grupo de torcedores em frente ao hotel em que estão os dirigentes.

“Nunca intervimos e não vamos intervir agora por questões de ingressos porque não é algo da nossa responsabilidade”

disse Nicolás.
Inscrever-se
Notify of
guest

0 Comentários
Feedbacks embutidos
Ver todos os comentários

0
Comente o que achou da notícia!x